Offline
Palcos da Vila do Forró destacam atrações sergipanas Os espaços contribuem para a perpetuação das tradições e o fortalecimento da identidade cultural
03/06/2024 11:32 em Entretenimento

Na Vila do Forró, milhares de pessoas têm a oportunidade de vivenciar as práticas culturais de Sergipe por meio da arte, culinária, costumes, artesanato e música. Neste ano, o espaço foi ampliado para receber mais visitantes e proporcionar uma maior imersão na cultura sergipana. Para cantores e grupos musicais, a Vila funciona como uma vitrine, permitindo que sua arte alcance novos públicos, tanto no Coreto da Eneva quanto no Barracão Cultural. O evento é realizado pelo Governo de Sergipe, por meio da Fundação de Cultura e Arte Aperipê (Funcap).


Representando uma vila tradicional do interior, com casinhas coloridas, igrejinhas e construções de taipa, o local conta com um coreto, ponto de encontro e celebração, onde costumes e tradições são mantidos vivos. Na chegada, os visitantes são recepcionados pelo espaço, que evidencia a música tradicional pé de serra e os trios sergipanos, exibindo a riqueza musical do estado.

O Trio Capitães do Forró se apresentou no último domingo, 2 de junho, com um repertório que mesclava composições autorais e clássicos do forró, tudo embalado pelo som envolvente da sanfona, triângulo e zabumba.

Marleide Santos, cantora do trio, destacou a importância do Coreto da Eneva. "Nós, artistas sergipanos, agora temos a chance de mostrar o nosso trabalho e a nossa rica cultura, que é o forró pé de serra. A música autoral também não poderia faltar aqui no Coreto. É uma imensa gratidão, não só por mim, mas por todos os artistas que terão a oportunidade de brilhar neste palco."

O Barracão Cultural tem se consolidado como um dos destaques do Arraiá do Povo, sendo um espaço dedicado a exaltar e valorizar os artistas locais. Ele promove a cultura e a tradição do forró em Sergipe, com um palco onde talentos do estado podem se apresentar e compartilhar sua arte com o público.

Juraci Piauí, cantor e sanfoneiro da Banda Piauí, que abriu as apresentações da noite, ressaltou a importância do evento. "Esse palco é um ótimo incentivo para nós. Com a confirmação dos 60 dias de Vila, os artistas e a cultura sergipana saem ganhando."

No aquecimento para os concursos de quadrilha, o grupo junino Festa na Roça, de Itaporanga d'Ajuda, se apresentou para o público, oferecendo uma amostra do tema escolhido para este ano: São João da Gente Sergipana. A quadrilha trouxe para o palco elementos típicos das festas juninas, com sua coreografia e figurinos coloridos.

O presidente do grupo, Diego Andrade, destacou a importância do palco para a visibilidade dos artistas. "O governo está fomentando e valorizando a cultura do estado por meio desse palco, para que nós, quadrilheiros e outros artistas, possamos mostrar a riqueza cultural sergipana para o mundo. Esse palco se tornou uma vitrine do turismo no estado".

O público também aprovou os palcos e a programação oferecida. Edneuza Vieira, frequentadora assídua do evento, compartilhou sua experiência. "Estamos maravilhados com essa mega estrutura voltada para o público. Eu pretendo vir todas as noites, sempre passando pelo Barracão."

Sílvia de Melo, residente de Aracaju, elogiou as melhorias. "O governo está de parabéns por essa mudança no palco, que foi muito bem-vinda e necessária. Ter um espaço dedicado aos artistas da terra, com apresentações folclóricas e culturais, é muito importante. Aqui é o ambiente ideal para a família, para as pessoas curtirem com tranquilidade”.

País do forró

Durante 60 dias, o clima junino tomará conta do estado, fortalecendo o turismo, a cultura popular e aquecendo a economia em vários setores envolvidos na realização dos eventos. A programação do Arraiá do Povo e Vila do Forró é uma realização do Governo de Sergipe, por meio da Fundação de Cultura e Arte Aperipê (Funcap), Secretaria Especial da Comunicação (Secom), Secretaria de Estado do Turismo (Setur) e Banese, com apoio da Energisa, Netiz e Shopping Jardins, e patrocínio da Eneva, Pisolar, Deso, Maratá,  GBarbosa e Serviço Social do Comércio (Sesc).

COMENTÁRIOS